Empossados três novos professores no IMS

Laura Lowenkron, Ronaldo Teodoro e Ricardo Ewbank
Laura Lowenkron, Ronaldo Teodoro e Ricardo Ewbank

O Instituto de Medicina Social ganhou três novos professores, empossados na última semana de setembro. Aprovados no último concurso para docentes do IMS, os professores já integram os departamentos “Políticas e Instituições de Saúde” e “Planejamento e Administração em Saúde”. Laura Lowenkron, doutora em Antropologia Social pelo Museu Nacional-UFRJ (Políticas e Instituições de Saúde); Ronaldo Teodoro, doutor em Ciência Política pela UFMG (Planejamento e Administração em Saúde); e Ricardo Ewbank Steffen, doutor em Clínica Médica pela UFRJ (Planejamento e Administração em Saúde) já conheciam a trajetória de pesquisa e ensino de pós-graduação do Instituto e sua importância para o campo da Saúde Coletiva no Brasil. “Desde o início da minha trajetória acadêmica, tenho mantido interlocução constante com diversos professores e pesquisadores do departamento de Políticas e Instituições de Saúde do IMS e do CLAM, cujos trabalhos constituem importantes referências nas minhas próprias pesquisas e produção acadêmica. Além disso, tenho acompanhado, por meio de cursos, bancas, congressos e publicações, os trabalhos de diversos estudantes que integram o programa e com os que já passaram por lá, cuja qualidade e o olhar crítico expressam o excelente resultado da formação interdisciplinar oferecida pelo PPGSC-IMS/UERJ”, revelou Laura.

O professor Ronaldo Teodoro explicou que sua matriz de formação intelectual, descrita a partir de uma preocupação com a formação da cidadania no Brasil, entendendo-a como uma experiência que deve ser coletiva e simétrica em direitos e deveres publicamente compartilhados, compreende que os fundamentos republicanos dessa abordagem se encontram fortemente representados na tradição política que conforma o Sistema Único de Saúde (SUS). “Sob essa percepção da política, que considera as clivagens sociais, de gênero e raça que entrecortam o drama da formação da cidadania brasileira, as dimensões sociais da medicina tornaram-se objeto de decisiva preocupação. Com a tese de doutorado, ‘O FANTASMA DA CLASSE AUSENTE – as tradições corporativas do sindicalismo e a crise de legitimação do SUS’, defendida na UFMG em 2014, definiu-se o percurso das minhas preocupações intelectuais. Compreendo que o IMS possui grande tradição no tratamento dessas questões”, ressaltou o doutor em Ciência Política.

Conheça mais dos professores:

Ronaldo Teodoro

Laura Lowenkron

Ricardo Ewbank

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *