Importância da pesquisa qualitativa para a prática médica é tema da Revista C&SC

A “importância da pesquisa qualitativa para a prática médica é tema da edição de janeiro de 2017 da Revista Ciência & Saúde Coletiva, da Abrasco. A publicação ressalta que é bastante conhecida a dificuldade que os médicos têm de utilizar o método qualitativo em seus estudos porque há pouca valorização ou mesmo incompreensão da filosofia e das propostas desse tipo de abordagem. A nova edição afirma que são raros os periódicos da área que publicam trabalhos de cunho compreensivo e que os poucos profissionais de saúde que trabalham com o método, costumam ser criticados pela superficialidade com que abordam a realidade social e por sua incapacidade de debater dados empíricos e aplicar a teoria de forma consistente e aprofundada.

Por outro lado, a primeira edição de 2017 defende que a recusa de aprofundar o método qualitativo reflete, frequentemente, a visão de uma falsa objetividade na relação médico-paciente que, na verdade, é essencialmente intersubjetiva. “E é justamente a perspectiva qualitativa que permite a aproximação do médico com um conjunto de valores, crenças, representações, relações, atitudes, comportamentos e práticas que perpassam suas relações com os pacientes. Os estudos qualitativos permitem a desconstrução da dicotomia entre objetividade e subjetividade, evidenciando que a vida, o sofrimento, a dor e a morte dos seres humanos não são apenas fenômenos biológicos, mas ao contrário, são construções histórico-culturais carregadas de simbolismos e significados”.

Neste número temático todos os artigos são resultantes de investigações qualitativas conduzidas por equipes que incluem médicos. Para a Revista C&SC, a participação desses profissionais nos grupos de pesquisa pode contribuir para a redução da distância entre os pressupostos da saúde coletiva e da prática clínica.

Confira a edição 22/JANEIRO 2017 AQUI.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *