Physis divulga editorial da nova edição por Kenneth Camargo

‘Revendo os últimos editoriais de Physis e contemplando o que escrever neste, a referência a Caetano impôs-se. Não podemos nos furtar a denunciar, mais uma vez, as opções políticas desastrosas em operação no nosso país, e as consequências funestas que já se desenham e apontam para um cenário catastrófico num prazo não muito longo”.

Ler mais

Distintos padrões de apoio social percebido e sua associação com doenças físicas (hipertensão, diabetes) ou mentais no contexto da atenção primária

O objetivo desta pesquisa, que tem Claudia de Souza Lopes entre os pesquisadores, foi detectar, na amostra pesquisada, a associação entre: adoecimento físico, adoecimento psíquico, rede de apoio e apoio social percebido.

Ler mais

Política de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde: a experiência do ProgeSUS

O estudo de Carinne Magnago, Celia Regina Pierantoni, Tania França, Swheelen de Paula Vieira, Rômulo Gonçalves de Miranda e Dayane Nunes Nascimento avalia o estágio das políticas de gestão do trabalho e educação em secretarias municipais e estaduais de saúde (SMS e SES, respectivamente), tendo como referencial a adesão a um programa de qualificação e estruturação da gestão do trabalho e da educação no Sistema Único de Saúde.

Ler mais

Aquisição domiciliar de refrigerantes e de biscoitos reduz o efeito de uma intervenção de promoção de frutas e hortaliças

O estudo desenvolvido por Gulnar Azevedo, Fábio Gomes e Inês Rugani, examina a influência do aumento da disponibilidade intradomiciliar de refrigerantes e biscoitos sobre os efeitos de uma intervenção de promoção do consumo de frutas e hortaliças. Foram analisados os dados de 70 famílias que viviam em comunidades de baixa renda na cidade do Rio de Janeiro, Brasil, que foram selecionadas por meio de uma amostra probabilística estratificada e completaram registro alimentar de 30 dias antes e depois da intervenção.

Ler mais

Atenção psicossocial a crianças e adolescentes com autismo nos CAPSi da região metropolitana do RJ

Os Centros de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil (CAPSi) são equipamentos públicos destinados ao cuidado de crianças e adolescentes com problemas mentais graves, incluindo aqueles com transtornos do espectro do autismo (TEA). Revisão da literatura nacional indica falta de informações sistematizadas sobre o tratamento oferecido a esta clientela. O artigo apresenta e discute dados referentes a perfil psicossocial e projetos terapêuticos para usuários com autismo e seus familiares, em CAPSi situados na região metropolitana do Rio de Janeiro.

Ler mais