(Português do Brasil) Importância da pesquisa qualitativa para a prática médica é tema da Revista C&SC

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

A “importância da pesquisa qualitativa para a prática médica é tema da edição de janeiro de 2017 da Revista Ciência & Saúde Coletiva, da Abrasco. A publicação ressalta que é bastante conhecida a dificuldade que os médicos têm de utilizar o método qualitativo em seus estudos porque há pouca valorização ou mesmo incompreensão da filosofia e das propostas desse tipo de abordagem. A nova edição afirma que são raros os periódicos da área que publicam trabalhos de cunho compreensivo e que os poucos profissionais de saúde que trabalham com o método, costumam ser criticados pela superficialidade com que abordam a realidade social e por sua incapacidade de debater dados empíricos e aplicar a teoria de forma consistente e aprofundada.

Por outro lado, a primeira edição de 2017 defende que a recusa de aprofundar o método qualitativo reflete, frequentemente, a visão de uma falsa objetividade na relação médico-paciente que, na verdade, é essencialmente intersubjetiva. “E é justamente a perspectiva qualitativa que permite a aproximação do médico com um conjunto de valores, crenças, representações, relações, atitudes, comportamentos e práticas que perpassam suas relações com os pacientes. Os estudos qualitativos permitem a desconstrução da dicotomia entre objetividade e subjetividade, evidenciando que a vida, o sofrimento, a dor e a morte dos seres humanos não são apenas fenômenos biológicos, mas ao contrário, são construções histórico-culturais carregadas de simbolismos e significados”.

Neste número temático todos os artigos são resultantes de investigações qualitativas conduzidas por equipes que incluem médicos. Para a Revista C&SC, a participação desses profissionais nos grupos de pesquisa pode contribuir para a redução da distância entre os pressupostos da saúde coletiva e da prática clínica.

Confira a edição 22/JANEIRO 2017 AQUI.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *