(Português do Brasil) Auditório lotado para Aula Inaugural 2018 da Pós-Graduação do Instituto de Medicina Social

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Grande público esteve presente na Aula Inaugural da Pós-Graduação do Instituto de Medicina Social no dia 5 de março. Com o tema “Saúde Coletiva: Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos”, o professor Eduardo Faerstein (IMS-UERJ) partiu da definição corrente da Saúde Coletiva como campo de conhecimentos e práticas multidisciplinares, debatendo possíveis respostas às questões 1) A Saúde Coletiva é jabuticaba? (ou seja, só existe ou nasceu no Brasil?) 2) Quando teve início a Saúde Coletiva? 3) Quais são importantes atrasos e lacunas de conhecimento no campo? 4) Quais são alguns desafios políticos para a Saúde Coletiva e para a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco)?

Polemizando com avaliações presentes na literatura da Saúde Coletiva brasileira, o conferencista defendeu a tese de que o campo compartilha e honra as melhores tradições da saúde pública internacional, a partir de vários exemplos históricos e contemporâneos na pesquisa, nas ações de saúde e no ativismo político (como Brasil, Alemanha, EUA, Russia, África do Sul). Em resposta à segunda pergunta, Faerstein ofereceu exemplos de temas de impacto sobre a saúde populacional ainda insuficientemente abordados em nosso meio, como o efeito dos ciclos econômicos, o racismo, as migrações forçadas e as várias dimensões do Antropoceno.

Eduardo Faerstein discorreu, em seguida, sobre o entrelaçamento de conjunturas, processos e fatos acadêmicos e políticos ocorridos desde a década de 1950, que confluíram para o movimento pela Reforma Sanitária Brasileira: os projetos pedagógicos dos Departamentos de Medicina Preventiva; o desenvolvimento das várias modalidades de pós-graduações na área; os projetos de atenção primária em municípios com prefeituras eleitas pela oposição à ditadura, seguidos de estratégias-ponte a nível nacional, como as Ações Integradas de Saúde; o crescimento dos movimentos estudantis e sindicais na área da saúde; e a criação do Cebes (1976), Abrasco (1979) e o Movimento Nacional de Luta Antimanicomial. Na 8ª Conferência Nacional de Saúde, em 1986, consagrou-se o mote “Saúde: direito de todos e dever do Estado”, incorporado pela Assembleia Nacional Constituinte à Carta Magna brasileira.

No terceiro momento da aula, o palestrante mostrou os números “monumentais” do desempenho do Sistema Único de Saúde (SUS), criado em 1988 para atender a parte do novo enunciado constitucional, mas cronicamente subfinanciado por todos os governos desde então. Faerstein mencionou as firmes manifestações públicas da Abrasco a respeito, que cobrem os 30 anos do SUS, e opinou por um maior enraizamento da Saúde Coletiva brasileira em áreas profissionais e sociais fora da habitual “bolha dos já convertidos”, além de maior ênfase em sua internacionalização política, cada vez mais importante em conjuntura mundial marcada por políticas regressivas. Finalizando, o professor citou o sociólogo Richard Sennett, em seu livro “Juntos: somos capazes de cooperar mais profundamente do que imagina a atual ordem social”.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *