(Português do Brasil) Estela Aquino avalia parcerias entre instituições de pesquisa ligadas ao câncer

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Estela Aquino, pesquisadora do ISC-UFBA
Estela Aquino, pesquisadora do ISC-UFBA. Foto de Flaviano Quaresma.

Não é recente que instituições de pesquisa e universidades firmam parcerias contributivas em vastas investigações ligadas ao câncer no Brasil e entre instituições brasileiras e estrangeiras. Essas parcerias que envolvem muitos pesquisadores, principalmente na área epidemiológica, têm apresentado avanços importantes na compreensão do campo e saberes. Estela Aquino, professora e pesquisadora do Instituto de Saúde Coletiva (ISC-UFBA), disse que parcerias como essas são importantíssimas. «Isso possibilita que além da produção de novos conhecimentos, viabilize a formação de novos quadros como acontece com os minicursos que ocorrem periodicamente, trazendo importantes nomes para discutir nuances significativas», afirmou. Dois desses minicursos aconteceram no Auditório do IMS, Missing Data e Rastreamento em câncer, nos dias 5 e 6 de maio, trazendo as pesquisadoras Bianca DeStavola e Karla Diaz-Ordaz (Missing Data) e Isabel dos Santos Silva (Rastreamento em câncer); uma colaboração entre a London School of Hygiene and Tropical Medicine e o IMS.

Ao contar sobre a parceria entre ISC e IMS, por exemplo, Estela disse que essa relação é antiga. «Fui professora do IMS, aluna de residência durante o mestrado e tive o privilégio de realizar muitas outras parcerias com grupos diferentes e produtivos», disse a pesquisadora, que é formada em Medicina e doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). «Outra parceria que é preciso destacar é com a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), especificamente com Maria Teresa Bustamante Teixeira, que vem realizando um trabalho excelente em epidemiologia, mais especificamente do câncer. Na USP, o José Eluf Neto é o nome a se enfatizar, por ser um dos maiores pesquisadores na área de epidemiologia do câncer no Brasil. Na UERJ, temos Gulnar Azevedo, do IMS, referência fundamental quando o assunto é epidemiologia do câncer de mama», ressaltou.

Para Estela Aquino, as parcerias, no Brasil, entre IMS, ISC, USP e UFJF, reúnem pesquisadores que têm muita experiência, o que faz com que a área epidemiológica do câncer apenas ganhe. «A epidemiologia faz parte da Saúde Coletiva, o que é uma característica brasileira», disse Estela. Decisão esta que foi tomada no âmbito da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), como explicou a pesquisadora, que ressalta que os fenômenos epidemiológicos têm carácter interdisciplinar, complexos, e que os diálogos entre diferentes áreas  são importantíssimos, como exemplo, profissionais e pesquisadores que têm distintas formações disciplinares. «Trabalhar em rede, com estudos multicêntricos, visa potencializar a compreensão da complexidade dos fenômenos, por mais qualificados que sejam os pesquisadores de cada instituição de pesquisa. Essa é um pensamento que é compartilhado entre o ISC, IMS, USP e UFJF», pontuou.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *