(Português do Brasil) Oficina “Como Nossos Pais e Mães: assumindo a autoria da Saúde Coletiva” é realizada no IMS

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Dia 23 de março, a partir das 14h no Auditório do IMS, vai ser realizada a Oficina “Como Nossos Pais e Mães: assumindo a autoria da Saúde Coletiva”, fruto da disciplina da Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social/UERJ [IMS/UERJ], oferecida pelo professor André Luis de Oliveira Mendonça, intitulada “Fundamentos Epistemológicos e Políticos da Saúde Coletiva”; e que será realizada também no 3º Congresso de Política, Planejamento e Gestão em Saúde da Abrasco, dia 1º de maio, das 8 às 12h, em Natal (RN).

Nessa disciplina, lê-se alguns clássicos das décadas de 60, 70 e 80, alguns que se tornaram fundantes da Saúde Coletiva. O modo de produção na disciplina não rendia produtos mensuráveis. Era uma tarefa cotidiana de lidar com a crítica, com o outro, com a responsabilidade de construção coletiva da disciplina e também dos debates. Os afetos foram outro “produto” imensurável da disciplina. Ganhou-se não apenas referências bibliográficas, mas tornaram referências uns para os outros, mediando, inclusive, encontros com referências bem distantes dos cenários das pesquisas “objetivas”, inclusive da Saúde Coletiva, como a imersão no “Quarto de Despejo”, narrado por Carolina Maria de Jesus. Assim, reconciliou-se com a Saúde Coletiva, a despeito da especialização da Saúde Coletiva. É este o “espírito” que se quer compartilhar e produzir nesta oficina.

Segundo os organizadores, a partir da experiência compartilhada dos alunos de Política, Planejamento e Administração do IMS/Uerj, o objetivo da Oficina é refletir sobre textos clássicos e atuais que informam o campo da saúde coletiva, resgatar a perspectiva histórica e fundacional da Reforma Sanitária e lançar provocações à área, campo, movimento em sua trajetória atual. Ainda há espaço para a democracia e para a reforma social na pauta setorial da saúde? Qual o papel da Política na política de saúde? Planejamento e administração do quê, para quem? Produção de que conhecimento com que alcance e qual objetivo?

Os clássicos da Saúde Coletiva são ainda importantes para compreender a realidade sócio-sanitária ou são meros arquivos que revelam sobre determinados sujeitos e contextos, situados na história? Em tempo de crise política, social e institucional, convém manter o debate e a produção de conhecimento em Políticas, Planejamento e Administração em Saúde centrados (e restritos) à constituição e governança do sistema de serviços saúde? Esta oficina se projeta a um Congresso de Política, Planejamento e Gestão em Saúde, objetivando tensionar as barreiras que nos limitam a interlocução entre sujeitos, saberes e práticas.  Trabalhando com obras como “Medicina e Sociedade”, de Donnangelo, “O Dilema preventivista”, de Arouca, “As Instituições Médicas no Brasil”, de Madel Luz, entre outras, desejamos debater o cenário contemporâneo da Saúde e suas articulações para fora do “setor”, como feito nas obras citadas. Pretende-se, ainda, construir coletivamente respostas a essas perguntas permitindo a olhar para a história e explorar diferentes narrativas.

 

Coordenação da Atividade: Gabriela Pimentel Barreto – Instituto de Medicina Social/UERJ

Responsáveis pela organização: Gabriela Pimentel Barreto – Instituto de Medicina Social/UERJ; Alessandra Aniceto Ferreira de Figueiredo – Instituto de Medicina Social/UERJ; Catalina Kiss – Instituto de Medicina Social/UERJ; Gerson da Costa Filho – Instituto de Medicina Social/UERJ; Leandro Augusto Pires Gonçalves – Instituto de Medicina Social/UERJ e Roberta Dorneles Ferreira da Costa – Instituto de Medicina Social/UERJ.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *