Warning: Missing argument 2 for WD_SEO_Library::filter_excerpt() in /home/imsblog/site.ims.uerj.br/wp-content/plugins/seo-by-10web/framework/library.php on line 414

Warning: Missing argument 2 for WD_SEO_Library::filter_excerpt() in /home/imsblog/site.ims.uerj.br/wp-content/plugins/seo-by-10web/framework/library.php on line 414

(Português do Brasil) Por mais debate: sobre a convocação de greve geral em 28/4

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Texto de Eduardo Faerstein*

Tenho conhecimentos superficiais sobre temas relacionados à previdência social e a relações trabalhistas, que motivam a greve geral convocada para o dia 28 próximo; portanto, consultei as páginas das Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, que lideram a mobilização. Em ambas, verifiquei que a convocação restringe-se a um posicionamento contrário às propostas do atual governo federal. Não há menção a propostas de mudanças na previdência e nas leis trabalhistas — nenhuma agenda de reforma é apresentada.

Isso significaria que tais Frentes querem apenas manter o status quo nessas duas importantes dimensões da vida social brasileira? Não será essa postura um tanto conservadora? Não há mudanças a propor? Emendas a apoiar, e pressionar por elas? Não há controvérsias a explicitar, estimulando seu amplo debate na população? Apenas a título de exemplos, cito as aposentadorias mais precoces de determinadas categorias profissionais e das mulheres, e a contribuição sindical compulsória.

As aposentadorias precoces de professores e de categorias expostas a ambientes insalubres não representariam rendição à “monetização do risco” contra a qual se insurgiu G. Berlinguer e seus companheiros da reforma sanitária italiana, que tanto inspirou o movimento no Brasil? No caso das mulheres, há interessante debate que revela nuances (em contraste ao “contra vs. a favor” por demais simplista) envolvendo especialistas e feministas com reconhecida tradição de luta, por exemplo em http://oglobo.globo.com/economia/feministas-divergem-sobre-idade-minima-igual-para-aposentadoria-dehomens-mulheres-20956144.

Sobre a contribuição sindical compulsória, o sindicalismo combativo do final dos anos 1970 reivindicava sua abolição, por favorecer milhares de sindicatos de nula ou escassa representatividade. Por exemplo, cf: http://diganaoaoimposto.cut.org.br/apresentacao/, e http://ptnosenado.org.br/cut-lanca-campanha-contraimposto-sindical/. Trata-se de mais uma bandeira histórica abandonada?

Suponho que a falta de estímulo ao debate dessas (e de tantas outras) questões controversas por parte das Frentes deve-se a questões de “governabilidade” no âmbito das duas coalizões de partidos políticos e movimentos sociais, e talvez por considerações de ordem tática (a meu ver questionáveis) sobre a necessidade de foco exclusivo em barrar retrocessos em pauta. Imagino que intramuros haja muita diversidade de opiniões, mas isso nunca chega ao conjunto da cidadania, que em geral recebe o prato feito, sem acesso às receitas e ingredientes utilizados.

Por fim, mas não menos importante: se investigações isentas comprovarem as recentes delações premiadas no âmbito da Lava-Jato, ficará evidenciado que em grande parte o nosso clássico capitalismo de compadrio transfigurou-se gradualmente em capitalismo de comparsas. As indicações já são muito fortes, e tudo sugere que aumentarão substancialmente em futuro próximo. A crescente apropriação privada da coisa pública, associando projetos de poder econômico e político e/ou enriquecimento pessoal ilícito, teria ocorrido via ações criminosas em escala delirante, unindo oligopólios do mundo da economia a antigas e novas oligarquias do mundo da política, perpassando quase todo o espectro partidário e configurando verdadeira cleptocracia. Nos dias que correm, com a legitimidade do sistema político-partidário em escombros, como omitir o assunto em mobilização nacional dessa magnitude? O silêncio das Frentes a respeito causa perplexidade, visto que objetivamente implicará cumplicidade.

Em 25/04/2017

*Professor Associado do Departamento de Epidemiologia do Instituto de Medicina Social da UERJ.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *