(Português do Brasil) Instituto de Medicina Social lamenta a morte da vereadora Marielle Franco

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Portugués De Brasil. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O Instituto de Medicina Social está de luto pela morte, nesta quarta-feira dia 14/03, da vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no centro do Rio após evento com ativistas negras. O evento «Roda de conversa Mulheres Negras Movendo Estruturas» foi transmitido ao vivo pelo Facebook, e pouco tempo depois do fim da transmissão, notícias já circulavam na rede sobre a morte prematura de Marielle, a quinta candidata mais votada no Rio em 2016, cidade que está sob intervenção federal militar.

No ano passado, Marielle participou da mesa “Somos todas clandestinas”, no evento ABORTO: DESAFIOS PARA A PESQUISA E O ATIVISMO”, atividade que comemorou o dia 28 de setembro, que homenageia a luta pela legalização do aborto em toda a América Latina e no Caribe, organizado pelo CLAM/IMS, no dia 4 de outubro 2017 no auditório do Instituto de Medicina Social.

O crime nesta quarta-feira aconteceu na rua Joaquim Palhares, no Estácio, e o motorista que estava com ela também foi assassinado. De acordo com a imprensa carioca, a vereadora estava acompanhada ainda da assessora Fernanda Chaves, que sobreviveu. Segundo o jornal Extra, a Polícia Civil encontrou pelo menos oito cápsulas no local. Os relatos preliminares dão conta de que os criminosos abriram fogo contra o carro. Nenhum objeto foi levado. «Há sinais de execução», disse, emocionado, o deputado estadual Marcelo Freixo, de quem Marielle foi correligionária no PSOL e assessora, no Jornal da Globo. Segundo o mesmo telejornal, crime de mando ou execução é também a principal hipótese com a qual a polícia trabalha neste momento.

O Instituto de Medicina Social lamenta com muita tristeza a perda desta grande mulher que morreu por lutar e acreditar numa sociedade mais justa.

Confira sua participação na Mesa “Somos todas clandestinas”

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *